Home » A meia-voz by Rita Bonet
A meia-voz Rita Bonet

A meia-voz

Rita Bonet

Published September 22nd 2014
ISBN : 9781502479129
Paperback
132 pages
Enter the sum

 About the Book 

Barcelona 2012/2013Uma tribo é uma divisão antiga, no entanto, a minha não tem muitos anos nem a autoridade de um chefe. Tivemos a sorte de nos termos reconhecido no fio frágil e desencontrado da existência ou talvez tenha sido uma confabulação dosMoreBarcelona 2012/2013Uma tribo é uma divisão antiga, no entanto, a minha não tem muitos anos nem a autoridade de um chefe. Tivemos a sorte de nos termos reconhecido no fio frágil e desencontrado da existência ou talvez tenha sido uma confabulação dos nossos monstros privados.Nadja diz que eu falo demasiado sobre monstros, mas também acredita que o único responsável de tudo é o Big Bang e por isso a culpa não pode existir.Tom chama-nos a factory espanhola e desde que o conheço que fotografa os reflexos dos seus monstros nos outros. Foi ele quem me apetrechou de imagens, me ensinou a parar o tempo e a apertar os cordões dos sapatos.Matilde chamava-nos “gente com luz”, mas ela partiu. Deixou três cadernos, escreveu num deles que se sentia um lugar e água escura do Bósforo e era a minha mãe.Quando a crise inundou a nossa vida até se transformar no centro de todos os monstros, a tribo cresceu porque chegaram Lídia e Malva. Aprendemos a fazer pasta de dentes e concebemos um plano num dia de tramontana e cansaço.Ilektra ouviu o seu monstro quando este lhe suplicou, em grego roufenho, que o levasse ao centro da sua fúria. Mazin transformou o seu em outra coisa, tal como já o tinha feito com a sua vida e Nadja o faz com a função dos objectos. Carolina soltou-o no seu terreno mental fértil e resistente, combateu-o com agulhas e transformou-o em peles para outros.Todos estamos cansados, em busca de alternativas e “crise” é uma palavra grega que também significa alteração. Talvez por isso eu nade e escreva. Debaixo de água e sob as palavras, tudo tem uma fluidez com a qual eu gostaria de atravessar a vida. Por vezes, a minha musa de duas rodas, a minha bicicleta, deixa-me compreender a existência como se tivesse fumado a erva de Tom e dentro de mim estivessem todos os sons ocultos de Gabriel. Como o eco de um sussurro.